ABQ - Academia Brasileira da Qualidade

A Academia Brasileira da Qualidade (ABQ) é uma organização não governamental e sem fins lucrativos, tendo como membros participantes pessoas experientes e de reconhecida competência profissional adquirida ao longo dos anos – nas universidades, nas empresas e em outras organizações privadas ou públicas – em atividades relacionadas à engenharia da qualidade, à gestão da qualidade e à excelência na gestão. A administração da ABQ é realizada por um colegiado eleito entre os membros, de acordo com seu Estatuto.

 
Economia Circular: desafios para a cadeia de suprimento
Economia Circular (EC) – economia restauradora e regeneradora
ABQ - Associação Brasileira da Qualidade
Publicado em: 27/03/2018

Este artigo expressa a opinião dos Autores e não de suas organizações.

 

 

B. V. Dagnino

 

 

1. Introdução

Segundo a Fundação Ellen MacArthur [1], Economia Circular (EC) "é uma economia que é restauradora e regeneradora desde o seu projeto, visando manter os produtos, componentes e materiais com sua maior utilidade e seu maior valor ao longo do tempo, distinguindo entre os ciclos técnicos e biológicos". Muitas outras definições foram cunhadas por especialistas que trabalham na área. A ênfase está sempre em uma "economia do berço ao berço", com a formação de ciclos de retroalimentação fechados.

Por outro lado, a recente norma brasileira ABNT NBR ISO 20400, sobre compras sustentáveis, refere-se a uma série de atividades para explicar o conceito de EC:

– Identificação de métodos alternativos de atendimento da demanda, como terceirização, utilização de serviços ou leasing ao invés de execução com recursos próprios;

 Agregação e/ou consolidação de demanda;

 Compartilhamento de uso entre divisões ou organizações;

 Incentivo à reciclagem, reparo ou reutilização para outra finalidade de bens usados;

 Definir se a terceirização é necessária e como ampliar o escopo de responsabilidade pelas práticas trabalhistas e ambientais ao longo das cadeias de suprimento;

 Uso de materiais reciclados/ renováveis.

Se esta lista for cuidadosamente analisada, ficará claro que cada item representa um desafio para a cadeia de suprimento. A norma também enfatiza que os recursos são mantidos o maior tempo possível para extrair seu valor máximo, e os resíduos podem ser considerados como um recurso alternativo.

 

2. Diferentes desafios para diferentes cadeias de suprimento

Os desafios para a cadeia de suprimento para introduzir práticas de EC são bem diferentes, dependendo de:

 o nível de conscientização de cada país atribuído à sustentabilidade em geral e à EC especificamente, incluindo o grau de importância atribuído tanto pela população quanto pelas empresas à EC; isso influenciará o comportamento de indivíduos e corporações, e as políticas públicas emitidas pelos governos; essas políticas, por sua vez, poderiam incluir incentivos como isenções fiscais para firmas aderentes às suas práticas;

 o porte do fornecedor (e do comprador), e os produtos e serviços que fornece, bem como questões de concorrência no mercado; pequenas empresas não terão poder para influenciar sua cadeia de fornecimento, que pode incluir parceiros de muito maior porte;

 a existência ou não de instalações de logística reversa e estratégias de marketing que ofereçam vantagens, como descontos, quando os produtos usados ??são devolvidos para reciclagem ou remanufatura;

 o tipo de produto: se, devido ao avanço da tecnologia, novos modelos de um determinado produto apresentam vantagens, como menor consumo de energia, a remanufatura não é aplicável; nestes casos, a desmontagem para uso de componentes ou materiais é a prática correta de EC [2];

 a existência de leis e regulamentos nacionais, regionais ou locais relacionados ao meio ambiente; há casos em que, por exemplo, os fabricantes, diretamente ou por meio de seus representantes de vendas, incluindo seus pontos de venda, devem retirar os produtos quando chegarem ao fim da sua vida útil;

 fatores econômicos: adotar práticas de EC pode significar a necessidade de instalações adicionais, e os custos relevantes podem ser um fardo, especialmente para uma pequena empresa; governos nesses casos poderiam conceder créditos subsidiados para viabilizar os investimentos necessários;

 a disponibilidade de tecnologias eficazes em termos de custos para introduzir a prática de EC;

 a base de clientes: os clientes são pessoas físicas ou outras empresas? Eles estão dispostos ou preparados para reconhecer e preferir um fornecedor que adote práticas de EC como contribuição para um uso mais racional dos recursos da Terra?

 liderança da empresa: a alta gerência está realmente consciente da importância de adotar práticas de EC e está disposta a demonstrar a todos os níveis que essa é a prioridade, incentivando todos os empregados a pensar circular desde as fases iniciais de projeto e desenvolvimento de produtos e serviços?

 

3. O papel das partes interessadas (stakeholders)

A EC é o resultado de uma atitude ou cultura que precisa ser desenvolvida por todas as partes interessadas: governo, empresas, instituições de desenvolvimento e sociedade em geral; eles precisam ser informados, ou melhor, esclarecidos e motivados, que se trata de um imperativo para a preservação do futuro da humanidade, não simplesmente uma moda passageira. A questão cultural, portanto, requer tratamento específico, já que a prática da EC obriga a uma mudança de paradigma. É importante enfatizar a importância do governo e do setor privado, integrando os pensamentos sobre os impactos da abordagem da aquisição em todo o ciclo de compras, desde a concepção, entrega, uso e descarte (incluindo reutilização, redefinição e reciclagem). A colaboração dentro das organizações e com o mercado também é importante na identificação de categorias prioritárias, onde as cadeias de suprimentos e materiais podem passar de abertas ou lineares para circulares ou fechadas, reduzindo os custos e impactos do ciclo de vida.

 

3.1 Sociedade

Como a sociedade como um todo, representada por indivíduos que integram seus pensamentos para formar a opinião pública, influenciará positivamente a introdução das práticas de EC em um país? E quais são os desafios para as cadeias de suprimentos que eles geram?

O primeiro desafio difícil é a sociedade do consumismo, ou seja, se os clientes individuais adquirem facilmente o conceito de EC. A propósito, há muito pouca literatura, se houver, sobre os obstáculos que a EC enfrentará em relação aos hábitos de compra de pessoas, por exemplo, o mais novo modelo de telefone celular e outros aparelhos eletrônicos. Muitos consumidores, desde que tenham dinheiro suficiente, procurarão desesperadamente o último modelo, mesmo que o que possuam esteja funcionando perfeitamente. Talvez até mesmo novos recursos disponíveis no novo modelo não sejam necessários ou usados, mas o desejo hedonista, impulsionado por sofisticadas técnicas de marketing, provavelmente vencerá. Portanto, não devemos negligenciar ou mesmo minimizar os obstáculos e dificuldades para a implementação da EC. Como contrabalançar a força da propaganda e marketing corporativos com o contínuo lançamento de novos produtos e serviços, e a obsolescência e a limitada durabilidade programada?

A eficácia da comunicação e marketing pelas empresas é de longe mais poderosa do que a relevância da EC é entendida pela maioria das pessoas. Muitos gostariam de serem os primeiros a ter o celular mais avançado e sofisticado. Uma postura típica lida nos jornais é: "Eu sei que não preciso disso, mas quero". A mudança de postura e a logística reversa da sociedade seriam eficazes o suficiente para equilibrar a busca por novos e o status pelos consumidores? Para mitigar esse comportamento, os distribuidores poderiam, por exemplo, oferecer descontos para o retorno de equipamentos antigos. Isso permitirá a reciclagem de componentes e materiais para outras aplicações.

A fim de proporcionar uma economia mais circular, há uma necessidade de mudar a forma como os indivíduos consomem. Para mudar o modelo de economia, há a necessidade de novos modelos de negócios, e para isso precisamos facilitar um novo relacionamento entre produtores e compradores, que precisam se tornar usuários ao invés de donos. É claro que os hábitos de consumo mudam ao longo do tempo: os jovens de muitos países não têm mais um carro como seu principal objeto de desejo.

Os indivíduos devem ser estimulados, antes de comprar um eletrodoméstico, como as muitas vezes citadas máquinas de furar, para fazer perguntas como:

 eu realmente preciso disso? Quantas vezes será realmente usada? (você pode até tentar lembrar quantos quadros você pendurou nas paredes nos últimos anos, por exemplo)

 existe algum vizinho, membro da família, amigo, colega de trabalho ou associado de clube a quem Você possa pedir emprestado?

 posso encontrar alguém vendendo um usado?

 posso convencer os moradores do meu prédio ou bairro a comprar uma máquina para uso compartilhado?

 existe alguma loja que oferece aluguel?

Essa mentalidade poderia se aplicar a comprar ou não um carro, novo ou usado, ou roupas de inverno para ir a uma viagem a um resort na montanha, ou se acostumar a usar utilitários de lavanderia instalados no porão do prédio. Será uma mudança de arranjo econômico de pagamento por produto para pagamento por uso.

Também deve ser enfatizado que um esforço de comunicação extraordinário para todos os públicos, abrangendo governos, empresas e sociedade, é indispensável para que todos possam se familiarizar com os benefícios da EC e praticá-la; no caso das empresas, convencê-las de que gera benefícios econômicos deve ser o foco da campanha publicitária; usar casos reais nesta conscientização deveria ser o foco. Tais campanhas devem ser adaptadas ao público-alvo, uma vez que o nível de conscientização sobre a importância da EC varia de país para país, idade, nível de renda, etc.

Em resumo: a única maneira de as cadeias de suprimento responderem ao desafio representado pelo apelo da sociedade para a introdução de práticas de EC é equilibrar estratégias de vendas baseadas em inovação, com demonstração clara de iniciativas reais alinhadas com a adoção dos princípios da EC.

 

3.2. Governo

Como os governos podem influenciar positivamente a introdução de EC e práticas pertinentes em nível nacional, regional e local, e quais desafios as iniciativas oficiais trazem para a cadeia de suprimento? O primeiro passo é acreditar firmemente que a EC é um conceito sólido para evitar o esgotamento de recursos limitados da Terra, reduzindo ao máximo possível a pegada de carbono das atividades humanas. Esta vontade teria que ser transformada em atos, tais como:

 declarações claras das autoridades de alto nível de um país, estado ou município, enfatizando a importância da EC

 promulgação de legislação que introduz incentivos às empresas que praticam a EC

 adoção em órgãos do governo de rotinas administrativas diárias e atividades que utilizem princípios de EC, como por exemplo via sites da Internet, mostrando assim claramente que eles são realmente adotados por órgãos públicos.

- patrocínio de conferências, exposições, livros, sites, anúncios, campanhas, material de redes sociais, prêmios para pessoas e empresas, etc. para promover a adoção da EC em todo o país e localmente.

Como aspecto relevante da sustentabilidade, a EC é considerada prioritária pela Comissão Europeia (CE). Com a questão das compras circulares recebendo atenção especial, em 2015 um Plano de Ação com orientações detalhadas sobre o assunto, incluindo o importante documento publicado pela União Europeia - "Compra Verde! Um Manual sobre Contratos Públicos Verdes" - v. http: //ec.europa.eu/environment/gpp/pdf/Buying-Green-Handbook-3rd-Edition.pdf foi publicado.

Os governos têm responsabilidade na formulação de políticas e precisam desenvolver iniciativas para estimular a CE, fomentar a inovação e a criatividade; em particular, os governos desempenham um papel muito importante no desenvolvimento de compras circulares, uma vez que adquirem um grande volume de produtos e serviços, estimado em 20% do PIB nos países industrializados (a estimativa no Brasil é de 15 a 20%). Os governos locais também devem desempenhar um papel relevante nas práticas de CE, adotando:

 procedimentos de contratação considerando os princípios da EC

 design thinking no desenvolvimento de novos serviços públicos, ou ao atualizar ou repensar novos - abordagem de cidades inteligentes

 compartilhamento de serviços com cidades no bairro - serviços de transporte subcontratados em vez de ter uma frota própria.

Em resumo: ao vender para órgãos do governo, os fornecedores serão submetidos a requisitos para fornecer produtos e serviços, que se tornarão progressivamente mais rigorosos. Por outro lado, os fornecedores devem direcionar esforços para a emissão de legislação que estimule a prática da EC.

 

3.3. Fornecedores

Os fornecedores e seus subfornecedores devem estar preparados para a tendência irreversível em direção à EC. Práticas enraizadas ao longo do tempo pelas empresas precisam mudar; por sua vez, é a ambição de se engajar no movimento e ser diferente, definindo estratégias e políticas que resultem em ações voltadas para o alcance das metas de sustentabilidade.

A adoção de práticas alternativas após a análise daquelas mais sustentáveis ??envolve inovação e criatividade. Empresas como a Philips Lighting estão mudando seu modelo de negócios, deixando de ser apenas fornecedor de lâmpadas para a venda de serviços relacionados à iluminação, incluindo projeto, instalação e manutenção, como o fornecido ao Aeroporto de Schiphol, em Amsterdã. O investimento necessário para mudar para EC não é um problema para as grandes corporações, um grande desafio é a forma como as PMEs irão lidar com essa tendência, pois elas têm várias limitações, como mostra a Figura 1 [3].

 

  

Figura 1: Barreiras à implementação da EC pelas PMEs

 

Mudanças na cadeia de suprimentos se tornarão progressivamente mais desafiadoras devido a:

 pressão da legislação e políticas públicas: a introdução de reduções ou isenções de impostos é um exemplo de incentivos que podem influenciar empresas privadas a adotarem práticas de EC.

 aumento da conscientização da sociedade: o reconhecimento de que os recursos da Terra são limitados está aumentando, especialmente nos países mais desenvolvidos, mas também está englobando progressivamente o mundo inteiro; isso significaria que os clientes ficariam mais conscientes dos benefícios gerados pelas empresas que praticam a EC, preferindo-as.

 razões econômicas: governos, corporações e pessoas estão entendendo que é menos dispendioso adotar práticas de EC do que continuar praticando a economia linear.

Comprar equipamentos usados ??ainda em bom estado é, naturalmente, mais barato do que comprar um novo, compartilhar uma máquina de furar ou uma carona significa redução de custos. Alugando casas ou quartos através do AirBNB ou fornecendo transporte dirigindo seu carro através do Uber também gera uma renda adicional.

É claro que existe o perigo de greenwashing: uma empresa que anuncia a redução do consumo de energia e água está, é claro, reduzindo seus custos e não necessariamente adotando a EC como uma política de negócios. Para algumas indústrias, certas práticas específicas devem ser aplicadas: por exemplo, os edifícios devem ter um inventário do material usado na construção, de modo que sua demolição considere o material usado para fins de equilíbrio (observando o desmantelamento da imensa quantidade de materiais usados ??no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos 2016, uma reflexão sobre o conceito surge: será que todas as peças de madeira, aço, plásticos etc. serão reutilizadas, ou pelo menos recicladas? Em alguns casos, instalações esportivas serão transformadas em escolas, mas qual será a taxa efetiva de reutilização?); no entanto, as empresas não aderem às práticas de EC unanimemente, pois têm medo de que vendam menos, reduzindo assim sua renda.

– introdução de novos modelos de negócios: uma empresa dinamarquesa está alugando roupas de bebê em vez de vendê-las; banco eletrônico significará menos pessoal na folha de pagamento e menos espaço de filial necessário para os clientes; o governo brasileiro começou a substituir carros oficiais para fornecer serviços de transporte para funcionários públicos por um serviço terceirizado chamado TáxiGov, semelhante ao Uber; os fabricantes também prestam serviços, o que significa que a diferença entre produtos e serviços está desaparecendo em muitas áreas, como o exemplo da Philips.

 tendências de compartilhamento de instalações, sistemas, equipamentos e eletrodomésticos, interna ou externamente

 requisitos de EC mais rigorosos de compradores a fornecedores: durante as reuniões do comitê espelho brasileiro sobre a ISO 20400 - Compras sustentáveis, longas discussões levantaram uma questão relevante: devemos nos concentrar para cobrir apenas produtos e serviços sustentáveis, ou fornecedores sustentáveis?; uma solução de compromisso foi alcançada: em geral, o texto concentra-se em produtos e serviços, mas alguns parágrafos levantam a questão dos fornecedores sustentáveis.

De uma forma ou de outra, os compradores pressionam sua cadeia de suprimento para que, a princípio, respeitem a sustentabilidade, especialmente em relação às questões ambientais. Isso significa que há um longo caminho para a implementação efetiva das práticas de EC em toda a cadeia de suprimento.

– importância crescente do design, a fim de desenvolver produtos considerando expectativa de vida, facilidade de manutenção, reciclagem, reutilização e otimização de recursos: se necessitarmos de produtos para facilitar a desmontagem, reparo e destinação para outros usos, vida longa e uso econômico de recursos, tudo começa com o design do produto. Isso significa que as áreas de engenharia devem priorizar, desde o início, a vida útil do produto do berço ao berço. Isso se aplica também aos serviços, em que geralmente são necessários alguns produtos para fornecê-los. Por exemplo, mesmo uma pequena empresa que fornece serviços de limpeza de escritórios, além de produtos químicos, precisará de algum tipo de equipamento que possa ser comprado ou, melhor ainda, alugado.

 aumento do mercado de manutenção, reparo, reaproveitamento e reciclagem: se os clientes aderirem às práticas de EC, as empresas que fornecerem serviços para aumentar a vida útil de máquinas, equipamentos e aparelhos precisarão aumentar sua oferta de serviços e estar preparadas para devolvê-las na condição de novo. Isso implicará a oferta de garantias a serem mutuamente acordadas, disponibilidade de peças sobressalentes, qualificação técnica e administrativa de pessoal, aquisição de equipamentos de teste, etc.

 questões ambientais: os fornecedores precisarão introduzir práticas logísticas reversas, tanto devido à legislação vigente quanto à pressão dos consumidores.

As seguintes perguntas, entre outras, devem ser respondidas pela liderança e pelos colaboradores, antes que um fornecedor embarque na implementação da EC:

 a governança é desenvolvida e a gerência intermediária conhece e pratica as políticas e estratégias da EC?

 os funcionários estão ligados ao conceito e ao design de novos produtos ou serviços conscientes dos princípios da EC?

 eles consideram seu ciclo de vida completo ao desenvolvê-los? - o uso de material reciclado ou uma quantidade mínima de materiais é considerada?

 manutenção, reparabilidade e disponibilidade de peças de reposição foram analisadas?

 os funcionários da área de compras são bem treinados e conscientes de sua função de aplicar conceitos de EC ao selecionar fornecedores de baixo nível e comprar equipamentos, componentes, matérias-primas, serviços etc.?

 a produção será feita na empresa com necessidade de novas máquinas ou, em vez disso, alguns processos poderão ser subcontratados?

 marketing e vendas pensaram em oferecer um desconto se os clientes devolverem seu aparelho ou equipamento antigo?

 existe uma estrutura logística reversa para receber de volta itens usados ??e encaminhá-los para empresas de reciclagem ou remanufatura?

Em relação às cadeias de suprimento, isso significará uma mudança do modelo linear, no qual a responsabilidade termina no ponto de venda para responsabilidade compartilhada em toda a cadeia, e incluindo os usuários.

 

4. Subsídios para implementação do CE e casos reais para inspiração

Existem muitas ferramentas disponíveis para as organizações que desejam implementar o CE. Por exemplo, a CE oferece diferentes níveis de documentação de apoio em http://ec.europa.eu/environment/green-growth/tools-instruments/index_en.htm [4]: O benchmarking pode oferecer muitos casos reais de inspiração para o CE. Para um parque industrial, por exemplo, uma abordagem de projeto holístico pode resultar em um arranjo muito interessante, como o mostrado na Figura 2 para Kalundborg na Dinamarca. A EC em ação pode ser vista como um bom exemplo de integração, com entradas e saídas fluindo de maneira otimizada entre fornecedores, produtores, clientes e usuários.

 

 

 

Figura 2 - Parque Industrial de Kalundborg, na Dinamarca, um bom exemplo de EC

 

O conceito de "desperdício zero" também pode ser aplicado de forma limitada, por exemplo, em operações de mineração. Como o minério de ouro é extraído da mina com uma enorme quantidade de enxofre como resíduo, uma empresa brasileira, a AngloGold Ashanti, opera duas enormes fábricas de ácido sulfúrico, que por sua vez são vendidas para indústrias químicas. O mesmo acontece com uma unidade brasileira de mineração de zinco da Votorantim, onde resíduos de calcário são purificados para atingir os requisitos agrícolas adequados e vendidos aos agricultores para correção da acidez do solo. A indústria siderúrgica é outro exemplo de um processo de operação pontual adotando o CE: ela usa um percentual relevante de ferro reciclado, mas a ArcelorMittal Tubarão, no Brasil, fez muito melhor: a fábrica agora é capaz de vender e reutilizar internamente cerca de 90% do que era anteriormente classificado como resíduo.

Este caso e muitas outras histórias de sucesso podem ser encontradas em https://www.ellenmacarthurfoundation.org/case-studies/new-entry.

As palavras de Radjou sobre a Índia poderiam ser verdade para muitos outros países [5]: “Nos anos 70, quando cresci na Índia, praticamos princípios da economia circular sem sequer saber: não desperdiçávamos recursos e reutilizávamos tudo. Com a rápida modernização de sua economia, no entanto, a Índia está perdendo contato com suas raízes frugais. Este relatório mostra de forma convincente como a Índia pode reavivar sua consciência frugal e implementar redes de valores circulares que estabeleceriam novos padrões globais de eficiência e sustentabilidade". É um exemplo típico de pessoas adotando práticas de EC sem saber e, por outro lado, como a modernização pode prejudicar o uso de hábitos tradicionais.

É relevante destacar como um importante objetivo da EC que as taxas de reciclagem japonesas são extraordinárias [6]: o país recicla 98% de seus metais e, em 2007, apenas 5% dos resíduos do Japão acabaram no solo, comparado a 48% o Reino Unido em 2008. As leis de reciclagem de eletrodomésticos do Japão garantem que a grande maioria dos produtos elétricos e eletrônicos seja reciclada, em comparação com 30-40% na Europa. Destes aparelhos, 74-89% dos materiais que eles contêm são recuperados. Talvez de maneira mais significativa, muitos desses materiais retornam à fabricação do mesmo tipo de produto. Este é o santo graal da reciclagem, essencial para uma economia verdadeiramente circular.

 

5. Implementação da EC a nível nacional

Como promover a implementação do CE em todo o país, começando do zero, a fim de ajudar uma cadeia de suprimentos nacional a superar os desafios que os fornecedores enfrentarão? Os governos central e local têm um papel relevante para apoiá-lo. O mesmo se aplica às universidades, patrocinando ou fornecendo ações em conjunto com outros atores e, assim, ajudando congressistas, funcionários de alto escalão, empresas e mídia de notícias a ajudar a alcançar os objetivos do CE.

A estratégia da economia circular chinesa é implantada em três níveis [7]: ??a promoção de produção limpa em toda a empresa; em zonas industriais para implementar ecologia industrial; e no nível da região para desenvolver cidades ecológicas. Um estudo de caso é a Eco-City de Guiyang, na qual os sistemas industriais foram otimizados para alcançar um uso mais efetivo de materiais e energia [7].

Para apoiar a implementação da EC em empresas brasileiras, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) criou um Núcleo de Economia Circular (NEC).

Com base nas observações feitas em muitas fontes, as seguintes propostas de atividades foram apresentadas pelo autor para a implementação da EC em nível nacional ou regional e são apresentadas abaixo [8], como um subsídio, considerando, por exemplo, o Brasil, mas aplicável a qualquer país ainda nos estágios iniciais de seu uso:

– Identificação de áreas onde será mais fácil começar, a fim de demonstrar a viabilidade e atrair novos atores através da publicidade de histórias de sucesso; isto poderia ser distritos industriais, grupos de empresas com atividades relacionadas, por exemplo

 Extensão de programas ambientais ou de sustentabilidade já patrocinados por associações industriais, para incluir um grande esforço de comunicação, integrando em um plano formal com o apoio de profissionais da área, várias atividades diferentes para diferentes públicos-alvo é uma prioridade; é necessário vender a ideia de CE ao governo, para que haja uma política oficial de compras circulares pelos órgãos públicos, para que as empresas mudem a abordagem de vender produtos para o enfoque do serviço, e também para que a sociedade se conscientize de sua importância

 Criação de cursos de curta e longa duração sobre EC em diferentes níveis

 Incentivo à introdução de temas relacionados à sustentabilidade, em especial sobre EC, em cursos técnicos e universitários.

 Publicação de notas informativas sobre o assunto, tanto nacional como internacionalmente, incluindo relatos de casos e práticas de sucesso.

 Estruturação de banco de dados facilmente acessível sobre o assunto, incluindo bibliografia nacional e internacional, histórias de sucesso em todo o mundo, como um repositório indispensável de conhecimento sobre o assunto.

 Intercâmbio de especialistas com a vinda de profissionais europeus e de outros países para estadias curtas e médias, bem como o envio de nacionais para países europeus e outros para estágios, visitas técnicas e cursos de graduação e pós-graduação, propiciando intercâmbio e aquisição de conhecimentos importantes. para dar maior velocidade à implementação da EC

 Criação de algum tipo de reconhecimento (prêmio?) para organizações e profissionais que se destacam na área de EC

 Programação de um seminário internacional anual sobre o tema com a participação de especialistas reconhecidos mundialmente.

 Identificação de fontes de financiamento disponíveis para organizações públicas e privadas interessadas em implementar projetos e práticas de EC, bem como promover novas iniciativas.

 Proposição ao Governo, a nível federal, de legislação que defina uma política e promova o desenvolvimento da EC; esta legislação poderia ser seguida por ações relacionadas a nível de governo regional e local

 Criação de um conjunto de indicadores qualitativos para autoavaliação das empresas quanto ao seu nível de prática de EC, de acordo com o Anexo B da ISO 18091 (matriz tricolor de indicadores qualitativos).

 Criação de conjuntos de indicadores-chave de desempenho (quantitativos) para avaliar o desempenho das empresas

 Identificação de empresas multinacionais que praticam o CE, buscando incentivar as subsidiárias a implementá-lo usando casos reais para vender a ideia.

É claro que há um longo caminho para que essas ideias se tornem realidade, mas, para iniciar esse processo, há algumas iniciativas promissoras em andamento.

 

5. Conclusão

Para se engajar na Economia Circular, uma empresa deve pensar de forma holística considerando seu mercado e sua cadeia de suprimento como um todo:

 o mercado (clientes e usuários finais) é capaz de reconhecer o esforço da empresa em introduzir a EC? (isso não é obrigatório, já que isso pode ser uma decisão interna baseada em auto-motivação, não necessariamente focada em imagem e reputação, ou considerando a estratégia de marketing)

 é técnica e economicamente viável mudar os processos de projeto, fabricação (ou prestação, se for um serviço) e logística para que eles cumpram os princípios da EC?

 a empresa possui os recursos humanos, técnicos, físicos, gerenciais e econômicos necessários para introduzir a EC?

 seus subfornecedores estão conscientes de seu papel, ou seja, compreendem práticas e conceitos de EC e estão prontos para apresentá-los como parceiros?

 uma análise de risco completa foi realizada, para avaliar as consequências da decisão, antes que ela seja implementada?

A colaboração dentro das organizações e com o mercado também é importante na identificação de categorias prioritárias, onde as cadeias de suprimento e materiais podem passar de abertas ou lineares para circulares ou fechadas, reduzindo os custos e impactos do ciclo de vida.

A questão cultural, portanto, requer tratamento específico, uma vez que a prática da EC obriga a uma mudança de paradigma, assim, práticas enraizadas ao longo do tempo pelas empresas devem mudar; por sua vez, é a ambição de se engajar no movimento e ser diferente, definindo estratégias e políticas que resultem em ações voltadas para o alcance das metas de sustentabilidade; a adoção de práticas alternativas após a análise daquelas mais sustentáveis ??envolve inovação e criatividade

A adoção da EC em vez da economia linear é uma questão de mudança de atitude de todas as partes interessadas: sociedade, empresas, instituições de desenvolvimento, governos, etc. [10]; todos precisam ser informados, ou melhor informados e motivados, que a EC é um imperativo para a preservação do futuro da humanidade, não simplesmente uma moda passageira. A implementação da EC é um tema de profunda reflexão, dadas as suas consequências para a preservação da qualidade de vida no planeta Terra. E os participantes da cadeia de suprimento devem estar prontos para analisar as tendências com antecedência para evitar serem surpreendidos por sua rápida evolução.

Em 2013, o Fundo Monetário Europeu estimou que mais de US $ 1 trilhão por ano poderia ser gerado até 2025 para a economia global e 100.000 novos empregos criados durante os próximos cinco anos se as empresas se concentrassem em incentivar a criação de cadeias de suprimento circulares para aumentar a taxa de reciclagem, reutilização e remanufatura.

Assim, a adoção da EC é de extrema importância economicamente, especialmente no que diz respeito à manutenção dos níveis de emprego. No entanto, a evolução do consumidor verde (individual e empresarial) para o consumidor ético e depois para o consumidor cidadão e, finalmente, para o consumidor circular, precisará de tempo [10]. Mas isso não significa que esse objetivo não seja perseguido. As cadeias de suprimentos devem responder o mais rápido possível a esse desafio, agindo em conjunto com todas as partes interessadas para atingir esse objetivo.

 

6. Referências

1. https://www.ellenmacarthurfoundation.org

2. Van Wassenhobe e outros: http://www.supplychainquarterly.com/columns/20171019-the-challenges-of-implementing-a-circular-economy/ INSEAD (Institut Européen d'Administration des Affaires)

3. Rizos, Vasileios e outros: Implementação de modelos de negócios de economia circular por pequenas e médias empresas (PMEs): barreiras e facilitadores. Sustentabilidade, 8 (11), 1212; doi: 10.3390 / su8111212 (2016).

4. http://ec.europa.eu/environment/green-growth/tools-instruments/index_en.htm

5.http: //unctad.org/meetings/en/SessionalDocuments/ditc-ted-15112017-cop23-bonn-Circular-economy-in-India.pdf

6.https: //www.the-ies.org/analysis/circular-economy-japan

7.https: //www.ellenmacarthurfoundation.org/news/circular-economy-implementation-in-china

 8. Dagnino, B. - Como Implementar a Economia Circular, em Economia Circular Holanda-Brasil - da Teoria à Prática. Exchange 4 Change Brasil, Rio de Janeiro (2017)

9. Weetman, C.: http://www.2degreesnetwork.com/groups/2degrees-community/resources/supply-chain- revolution- how-circular-economy-unlocks-new-value /

10. Deschênes, J. et al - Des consommateurs en évolution dans un monde en changement, in L'économie circulaire - Une transition incontournable. Les Presses de l'Université de Montréal. www.pum.umontreal.ca.

 

 

 

 

*Basílio V. Dagnino é Diretor Presidente da ABQ.

 

Por Dídio Art & Design | © Todos os direitos reservados | 2015