ABQ - Academia Brasileira da Qualidade

A Academia Brasileira da Qualidade (ABQ) é uma organização não governamental e sem fins lucrativos, tendo como membros participantes pessoas experientes e de reconhecida competência profissional adquirida ao longo dos anos – nas universidades, nas empresas e em outras organizações privadas ou públicas – em atividades relacionadas à engenharia da qualidade, à gestão da qualidade e à excelência na gestão. A administração da ABQ é realizada por um colegiado eleito entre os membros, de acordo com seu Estatuto.

 
Tabela dos Índices Socioeconômicos e o Brasil
Principais índices acompanhados
ABQ - Associação Brasileira da Qualidade
Publicado em: 14/04/2021

Este artigo expressa a opinião dos Autores e não de suas organizações.

 

 

Essa tabela mostra a primeira atualização anual dos índices socioeconômicos propostos na referência abaixo com a finalidade de acompanhar o desempenho das políticas públicas de combate à pobreza no Brasil. As fontes oficiais desses índices não captam ainda a influência da pandemia do COVID-19 que, certamente, será notada na atualização do próximo ano. Todavia, ela serve como base para avaliar seus efeitos.

 

País

PIB(1)

PIB*(2)

IP(3)

IG(4)

IDH(5)

IDH*(6)

IF(7)

DP(8)

Brasil

8717

15300

4,6

53,4

0,765

0,570

6,330

84,19

Alemanha

46445

57530

0,2

31,9

0,947

0,869

7,155

37,69

Argentina

9912

23040

1,5

42,9

0,845

0,729

5,929

90,38

Chile

14896

27002

0,3

44,4

0,851

0,709

6,172

27,91

China

10216

16804

0,5

38,5

0,761

0,639

5,339

nd

EUA

65297

65297

1,0

41,4

0,926

0,808

6,951

92,57

Irã

5550

12937

0,5

42,0

0,783

0,693

4,721

44,74

Japão

40246

43593

0,7

32,9

0,919

0,843

5,940

201,39

Noruega

75419

70005

0,3

27,6

0,957

0,889

7,392

14,39

Rússia

11585

29181

0,1

37,5

0,824

0,740

5,477

13,11

   

Notas:

 

(1) Produto Interno Bruto per capita (em Dólar Norte-Americano); Ano: 2019 para todos, exceto Irã 2018); Fonte: Banco Mundial (09.04.2021)

 

(2) Produto Interno Bruto per capita com Paridade do Poder de Compra (PPC) (em Dólar Norte-Americano); Ano: 2019 para todos; Fonte: Banco Mundial (09.04.2021)

 

(3) Índice de Pobreza (em % da população abaixo da linha de pobreza fixada em 1,90 Dólar Norte-Americano por dia – PPC 2011); Ano: 2008 para Alemanha; 2010 para Rússia; 2013 para Japão; 2016 para China; 2017 para Chile; 2018 para Noruega, Irã, EUA; 2019 para Brasil, Argentina; Fonte: Banco Mundial (09.04.2021)

 

(4) Índice de Gini; Ano: 2013 para Japão; 2016 para Alemanha, China; 2017 para Chile; 2018 para EUA, Rússia, Noruega e Irã; 2019 para Brasil e Argentina; Fonte: Banco Mundial (09.04.2021)

 

(5) Índice de Desenvolvimento Humano; Ano: 2019 (Fonte: HDR 2020, UN)

 

(6) Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado pela Desigualdade; Ano:2019 (Fonte: HDR 2020, UN)

 

(7) Índice de Felicidade (Escada de Cantril); Período: 2018-2020 (Fonte: WHR 2021)

 

(8) Dívida Pública Bruta (em % do PIB); Ano: 2019; Fonte: Fundo Monetário Internacional (09.04.2021)

 

Breve análise dos autores

As fontes oficiais dos índices mostrados na tabela ainda não captam a influência da pandemia do COVID-19. Todavia, podemos analisar o cenário retratado pelos índices tendo em vista os enormes desafios decorrentes da crise sanitária. O PIB per capita do Brasil é típico de um país de renda média. Quando o comparamos com os dos países desenvolvidos percebemos o quanto temos ainda que caminhar em direção ao bem-estar pleno da sociedade brasileira. Nossa população de miseráveis soma quase 10 milhões de brasileiros e a elevada desigualdade de renda são as maiores entre os países tomados como referências. Mesmo que o índice de desenvolvimento humano do Brasil seja razoável, ele cai muito quando afetado pela desigualdade. Isso indica que, além da pobreza, educação e saúde são também prioridades a ser consideradas em políticas públicas voltadas à inclusão social. Apesar de tantas dificuldades, nosso índice de felicidade está entre os melhores dos países considerados. Isso ocorre porque, além das condições materiais, outros fatores como relacionamento humano, expectativa de vida e liberdade de escolha na vida, contribuem para que sejamos felizes. Finalmente, nossa dívida pública bruta quase do tamanho de nosso PIB dificulta demais o financiamento de medidas de enfrentamento dos principais problemas sociais do Brasil, agora agravados pelo COVID-19.

 

Referência

RUSSO, V.A.F - BRESCIANI F., E., Índices socioeconômicos para o estudo de combate à pobreza (Relatório de Pesquisa), Academia Brasileira da Qualidade – Estudos e Relatório Técnicos, São Paulo, fevereiro de 2020, 6p. [ http://www.abqualidade.org.br/estudos-destaque-abq.php?id=237 ]

 

Por Dídio Art & Design | © Todos os direitos reservados | 2020