ABQ - Academia Brasileira da Qualidade

A Academia Brasileira da Qualidade (ABQ) é uma organização não governamental e sem fins lucrativos, tendo como membros participantes pessoas experientes e de reconhecida competência profissional adquirida ao longo dos anos – nas universidades, nas empresas e em outras organizações privadas ou públicas – em atividades relacionadas à engenharia da qualidade, à gestão da qualidade e à excelência na gestão. A administração da ABQ é realizada por um colegiado eleito entre os membros, de acordo com seu Estatuto.

Publicado em: 29/10/2019
10 anos da Academia Brasileira da Qualidade
Entrevistas com o presidente e ex-presidentes da ABQ

 

 

A Academia Brasileira da Qualidade está perto de fazer 10 anos. Na escala de tempo das organizações, 10 anos costumam ser um marco. Também o é no caso da Academia.

 

Com o nosso VI Seminário ABQ Qualidade Século XXI próximo, que acontecerá no próximo dia 6 de novembro, aproveitamos a oportunidade para fazer uma reflexão do que fizemos, aonde chegamos e o que temos pela frente, entrevistando o atual presidente, Acad. Eduardo Guaragna (2019-20), e dois ex-presidentes: Acad. Pedro Luiz Costa Neto (2015-16) e Acad.  Basílio Dagnino (2017-18). Infelizmente o primeiro presidente da ABQ, Acad. João Mário Csillag já não está entre nós para que pudesse ter participado destas entrevistas.

 

A seguir apresentamos as visões destes líderes da ABQ.

 

1 Como nasceu a ideia da ABQ? E que objetivos os criadores tinham em mente?

 

   
 

Basílio V. Dagnino, Presidente da ABQ de 2017-2018 

Bacharel em Ciências Navais e em Ciências Administrativas. ASQ Fellow. CQP & Fellow, CQI (Londres). Co-fundador do 1º curso de pós-graduação em Qualidade (UCP). Primeiro Gerente Técnico da FNQ (1991 a 1997). Juiz, instrutor e consultor de modelos de excelência do PNQ e outros prêmios. 

Basílio Dagnino (BD): No final da década passada, um pequeno grupo de profissionais seniores da área da qualidade julgou que estava na hora de integrar especialistas, reconhecidos por seus pares como pessoas atuantes e com destacadas contribuições na área, num grupo capaz de promover a Qualidade no Brasil e sua importância. Era claro que após o País passar por um período de grande mobilização para o tema da Qualidade, com o PBQP ( Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade)  e a criação da então FPNQ (Fundação Prêmio Nacional da Qualidade) o tema havia caído no esquecimento e era necessário revigorá-lo. Alguns Ministérios, como por exemplo, os da Agricultura e o do Exército, e empresas públicas, como a ECT e a Petrobras, atingiram um notável nível de implementação da Qualidade, criando prêmios internos e ferramentas de apoio bastante desenvolvidas. O Prêmio Nacional da Qualidade foi entregue pelo Presidente da República (Fernando Henrique Cardoso) pelo menos duas vezes em cerimônia no Palácio do Planalto, outro presidente (Fernando Collor de Mello) cobrava nas reuniões com os ministros o andamento das ações nas respectivas pastas. Na área da certificação da qualidade, segundo as normas da família ISO  9000 [adotadas no Brasil como ABNT NBR ISO 9000] depois de um aumento decorrente em grande parte de grandes compradores como a Petrobras a exigirem, o número de empresas buscando a certificação foi diminuindo. Resumindo, foi a percepção do desgaste da importância do tema Qualidade ao longo dos anos o principal motivo que conduziu à criação da ABQ.

 

2 Como avalia a evolução da qualidade desde então até os dias de hoje? O que se perdeu e o que hoje é melhor?

 

 

  

Eduardo Vieira da Costa Guaragna, Presidente da ABQ para o período 2019-2020

 

Engenheiro Mecânico e Mestre em Administração pela UFRGS. ASQ Senior, CQE, CMQ-OE, CRE, CQA. Juiz do PNQ (2004-2012) e do PGQP (Qualidade e Inovação). Diretor do PGQP. Consultor. Professor de Pós-graduação. Autor do livro “Desmistificando o Aprendizado Organizacional”, Qualitymark, 2007. 

 

Eduardo Guaragna (EG): A qualidade tem evoluído, acompanhando as mudanças no tempo. Eu diria que a maior mudança foi a sua integração com o negócio das organizações e a criação de um modelo sistêmico da gestão organizacional que no Brasil se deu através do MEG – Modelo de Excelência em Gestão – da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Também outro aspecto positivo, a meu ver, foi o amadurecimento das normas ISO de gestão da qualidade (as da família ISO 9000) e sua simplificação na parte documental, sem perder a qualidade de seu propósito junto às organizações que as utilizam. O que vejo como ressalva é que para muitos a qualidade é dada como “taked for granted” ou seja, algo que já faz parte do passado e não é dada mais atenção a ela. O que vemos então? Falhas grosseiras de processos, em produtos e serviços. Basta olhar os jornais e temos sempre notícias desagradáveis, principalmente quando impactam na vida das pessoas. Parece-me que a capacitação para desenvolver a qualidade está em segundo plano nas organizações, o que na década de 90 era uma formação obrigatória. Também a produtividade era um objetivo a ser buscado nos PEQ - Programas Estaduais da Qualidade -. Infelizmente pouco se alcançou neste tema, primo irmão da qualidade. Hoje sofremos consequências disso.

 

 

   Pedro Luiz de Oliveira Costa Neto, Presidente da ABQ no período 2015-2016

 

Engenheiro (ITA), MSc. (Stanford, CA), Doutor (POLI/USP). Prof. Aposentado da POLI/USP – Engenharia de Produção, Presidente da Fundação Vanzolini (1982-1987), Ex-juiz do PNQ e do PPQG. Prêmio Qualidade Banas 1999. Prof. de Pós-Graduação da UNIP. Autor de vários livros.

 

Pedro Luiz Costa Neto (PC): Pode-se dizer, salvo notáveis exceções, que a qualidade era incipiente no Brasil até a década de 1980. Entre as notáveis exceções citam-se empresas que mantinham excelentes laboratórios de pesquisa tecnológica, como a Metal Leve, a Cofap, a Petrobras, além de a Embraer estar iniciando a sua produção de qualidade mundial. Um grande marco na evolução da qualidade no Brasil foi o advento do PBQP – Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade, que proporcionou o incentivo à implementação das normas ISO 9000 no Brasil, o aprimoramento da metrologia, a criação do Prêmio Nacional da Qualidade e, especialmente, o PEGQ- Projeto de Especialização em Gestão da Qualidade [do Ministério da Ciência e Tecnologia], que difundiu seus conceitos e técnicas a dezenas de milhares de profissionais em todo o País. Isso se deu nos anos 80 e 90. Passada essa fase, o aprimoramento da qualidade tem ocorrido naturalmente, incorporando os novos modelos surgidos, com especial destaque ao MEG – Modelo de Excelência em Gestão, proposto pela FNQ – Fundação Nacional da Qualidade. Acredito que os ganhos em qualidade sejam cumulativos, suplantando eventuais recuos que possam ocorrer, até por força da globalização, que torna o mercado mundial altamente competitivo. Um bom exemplo que ilustra um notável avanço em qualidade e produtividade no Brasil é o do nosso agronegócio.

 

BD: No mundo empresarial, a concorrência cada vez maior e as exigências cada vez maiores dos clientes, dos usuários e da legislação e regulamentação tiveram como consequência a sua melhoria contínua, tanto gradual como (especialmente) disruptiva, com a inovação e a redução de custos pela otimização de processos  (inclusive via automação/ digitalização, novas tecnologias, preocupações com a sustentabilidade, especialmente sob o aspecto ambiental, menos sob o social). Um aspecto interessante é a dicotomia entre a melhoria evidente da qualidade (veículos não mais enferrujam, TV duram mais) x  obsolescência programada, que conduz ao consumismo. Já na área do governo, a evolução tem sido muito mais lenta, o mesmo ocorrendo com as pequenas empresas.

 

3 A ABQ revisou recentemente o seu Planejamento Estratégico. Nessa revisão, qual a maior mudança que a ABQ se propõe a realizar?

 

EG: Recentemente a ABQ finalizou a revisão de seu Planejamento Estratégico, conduzida pelos acadêmicos Vivaldo e Kleber. Foi uma aula e um aprendizado, pois refazer um pensamento com participação pouco presencial, envolvendo 45 pessoas, não é algo fácil. A maior mudança está na simplicidade de levar a qualidade a cada indivíduo como um valor, quer seja como consumidor, agente de mudança, profissional na sua área e, assim, fortalecer a cultura da qualidade no Brasil. No Japão, no pós-guerra, a qualidade foi um movimento de nação, muito acima do que aqui no Brasil se estimulou, uma vez que as organizações e seu desempenho/competitividade  foram os objetivos principais. A mudança de cultura inicia pelo indivíduo e depois evolui para grupos, organizações e o próprio País. Leva tempo. Queremos fortalecer a cultura da Qualidade, disseminando conhecimentos, provocando posicionamentos e mudando comportamentos. Este é nosso eixo estratégico de atuação. Os Seminários ABQ Qualidade SÉCULO XXI, O Manifesto e o Livro da Qualidade no Brasil são iniciativas nesta direção.

 

4 Quais os maiores desafios da ABQ para os próximos 3 anos?

 

EG: Digamos que tenham se passado 3 anos. O que eu gostaria de ver alcançado: a ABQ sendo uma referência no Brasil quando o assunto é qualidade e gestão, ou seja, que seja consultada e ouvida a respeito. Também que a ABQ tenha evoluído bastante na disseminação da qualidade e da gestão como instrumentos vitais ao desenvolvimento das pessoas e da sociedade brasileira. Por fim, que tenhamos uma comunidade bem maior atuando em parceria com a ABQ, todos olhando o mesmo objetivo, e que a comunidade de acadêmicos esteja 100% engajada nesse propósito.

 

PC:  Divulgação. Entendo que, para cumprir a sua Missão e tornar-se reconhecida referência em qualidade no Brasil, apta a emitir opiniões respeitadas sobre assuntos nacionais relacionados à qualidade, produtividade, inovação, conhecimento, competitividade e sustentabilidade, dentre outros, a ABQ precisa antes de tudo ser nacionalmente reconhecida. Nossa principal arma para tanto tem sido os nossos seminários, agora se espalhando pelo País, mas é preciso fazer muito mais em termos de divulgação, mormente nos veículos de informação de massa, para atingirmos o nosso objetivo.

 

BD: Tornar-se mais conhecida e consequentemente reconhecida, sendo capaz de influenciar através de seu posicionamento os tomadores de decisão. Obter recursos financeiros de organismos de fomento nacionais, estrangeiros e internacionais que propiciem o cumprimento de sua Missão de forma mais acelerada. Estruturar alianças estratégicas eficazes de forma a otimizar a aplicação dos limitados recursos dos parceiros.

 

5 A ABQ em novembro de 2020 completará 10 anos. Como você gostaria de encontrar a ABQ nos próximos 10 anos?

 

EG: Com o seu corpo de acadêmicos representativo de cada um dos 26 estados e DF e, quem sabe, com Diretorias Regionais. O mais importante é que a ABQ esteja cumprindo a sua missão, atuando em vários projetos e com resultados percebidos pela sociedade e que ela seja uma voz aconselhadora e ouvida nas políticas e projetos de desenvolvimento da qualidade e gestão no Brasil.

 

PC: Reconhecida nacional e internacionalmente como referência em conhecimento e sabedoria quanto à qualidade e seus aspectos correlatos. Respeitada a ponto de ser chamada a emitir opiniões sobre assuntos controversos ligados às suas áreas de excelência.

 

BD: Muito mais atuante, capaz de ter voz ativa que influencie todas as ações e iniciativas que, de uma forma ou de outra, se relacionem com a qualidade sustentável e a excelência.

 

6 Que mensagem você daria para aquele indivíduo que está começando a sua vida profissional?

 

EG: Que tenha asas e raízes. Sonhe com o que deseja ser e realizar, mas seja coerente e tenha claro o contexto das suas ações. Este equilíbrio é fundamental para a formação profissional no mundo de hoje. O que fizer, faça bem feito, com ética. Esteja disposto a aprender sempre. Tenha a qualidade como norma de sua vida.

 

PC: Que reconheça a importância da qualidade e da ética na sua vida profissional e particular. Que reconheça ser a qualidade também o respeito ao meio ambiente e às demais pessoas na sociedade. Que entenda qualidade e ética como indissociáveis. Que propugne contra os indivíduos e organizações que não enxerguem o mundo dessa maneira. Que compreenda ser a busca incessante pela qualidade, produtividade e competitividade essencial para o desenvolvimento do nosso País.

 

BD: Considerar a prática diuturna da Qualidade como forma de atingir a excelência sob todos os aspectos e em todos os níveis: pessoal, profissional e na sociedade.

 

Por Dídio Art & Design | © Todos os direitos reservados | 2015