quarta-feira, novembro 30, 2022

Como formar a Cultura Organizacional?

Gerd Altmann / Pixabay

Por Silvana Hoffmann*

A Cultura organizacional é um tema extremamente relevante para o sucesso das organizações e que nem sempre recebe a devida importância!

 

Acredito que isso acontece devido, em parte, ao desconhecimento dos gestores sobre o que é de fato a cultura organizacional e, em parte, pelas dificuldades que se impõem para conhecer os aspectos culturais.

Começando pelos conceitos, a cultura de uma organização pode ser definida como:

  • Conjunto de valores e normas compartilhados que controlam a interação entre os membros da organização, com seus fornecedores, clientes e outras partes interessadas externos à organização. Gareth Jones, 2004
  • Padrão de suposições básicas demonstradas, descobertas ou desenvolvidas por um dado grupo, que ensina a lidar com seus problemas de adaptação externa e de integração interna. Edgar H. Schein, 2007

Simplificando podemos entender como cultura:

  • Práticas aprendidas no ambiente de trabalho, que traduzem
    “o jeito de fazer as coisas por aqui”.
  • Socialmente construída e “comprada por todos”, difícil de mudar “por decreto” ou “da noite para o dia”.

Assim a cultura de uma organização permite identificar e diferenciar uma empresa da outra – cria identidade; possibilita a interação e a comunicação entre os membros do grupo – jargão e protocolos; e dá consistência ao processo de tomada de decisão – cria coesão no grupo.

Mas como se forma a cultura de uma organização?

A resposta a essa pergunta remete a “criação” da organização e considera:

  • As crenças, valores e suposições dos fundadores;
  • As experiências de aprendizagem do grupo, adquiridas à medida que a empresa se desenvolve;
  • As crenças, valores e suposições de membros do grupo impostas aos demais membros e, após testadas, são validadas a assumidas como verdadeiras,
  • As novas crenças, valores e suposições introduzidas por novos líderes.

Como podemos conhecer os aspectos culturais?

Existem várias metodologias para mapeamento da cultura organizacional, que podem incluir:

  • Entrevistas com funcionários novos e antigos;
  • Pesquisa estruturada para levantamento de aspectos culturais;
  • Observações das estruturas e dos comportamentos;
  • Dinâmicas com grupos representativos da cultura,
  • Análise integrada de aspectos explícitos e implícitos para a identificação das suposições fundamentais básicas.

E quando temos que mudar a cultura?

Uma mudança cultural se faz necessário quando a maneira de solucionar problemas deixa de garantir a sobrevivência, a competitividade da empresa e a geração de valor para suas partes interessadas.

Mas mudar a cultura não é um processo simples, requer um mapeamento da cultura vigente, a identificação dos aspectos culturais que precisam ser mudados, a identificação dos aspectos desejados, um planejamento rigoroso, e uma liderança forte. Muita persistência e constância de propósito, uma vez que o processo pode levar alguns anos!

Por tudo isso, a cultura organizacional, como parte inerente da gestão, é raramente considerada e tratada de forma estruturada. Mas no mundo dinâmico que vivemos diria que conhecer a cultura organizacional é fundamental para assegurar a longevidade e a sustentabilidade do negócio.

Silvana Hoffmann é Acadêmica da Academia Brasileira da Qualidade e consultora em Sistemas de Gestão e Sustentabilidade.

 

Este artigo expressa a opinião dos Autores e não de suas organizações.

Siga-nos nas Redes Sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados