segunda-feira, agosto 08, 2022

Excelência na Gestão da Saúde para a eficiência operacional

Jukka Niittymaa / Pixabay

Jairo Martins

 

Qualquer organização, independentemente do seu setor, porte e natureza, é responsável por um processo de transformação de recursos em valor para a sociedade. A eficiência e a eficácia desse processo são medidas pelo maior valor gerado com um mínimo de recursos possível. Esse conceito não se aplica apenas a organizações isoladas, mas também a setores e cadeias de valor, simples ou complexas, constituídas de poucos ou múltiplos integrantes, que devem estar alinhados para perseguir os mesmos propósitos.

No caso da área da saúde, apesar das várias iniciativas pontuais para melhorar a qualidade da prestação dos serviços, a insatisfação da sociedade brasileira, como um todo, é enorme. Isso ficou muito claro com as manifestações desencadeadas a partir de junho de 2013, quando a população pediu serviços “Padrão Fifa”. De acordo com a pesquisa “Retratos da Sociedade Brasileira – Problemas e Prioridades para 2014”, feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Ibope, saúde é o principal problema do Brasil. O item foi assinalado por 58% dos entrevistados, estando à frente de segurança pública e da violência (39%), das drogas (33%), da educação (31%) e da corrupção (27%).

Engana-se quem pensa que o descontentamento se concentra apenas no atendimento público. A saúde suplementar, que está nas mãos de planos privados, é campeã em reclamações judiciais devido à falta de cobertura de tratamentos, pagamentos de medicamentos e reparação de erros médicos. Sempre quando se fala em problemas do Sistema Nacional da Saúde, há uma quase unanimidade de que os recursos financeiros, que no orçamento de 2014 chegaram a R$ 106 bilhões, foram insuficientes.

Lições aprendidas de outros setores da economia mostram que não adianta injetar recursos indefinidamente se esses não são utilizados com eficiência, eficácia, qualidade, ética e transparência. Submetidas a cenários mutáveis, imprevisíveis e incontroláveis, principalmente depois da globalização, é preciso que as organizações se reinventem para que possam garantir a sua sobrevivência.

Isso só é possível por meio de uma liderança forte e comprometida, que ouça a sociedade e os seus clientes, defina planos estratégicos e orçamentários realistas, estabeleça processos enxutos e eficientes – os quais devem ser conduzidos por pessoas competentes e capacitadas, orientadas por sistemas de informação transparentes -, gere resultados planejados por meio de recursos otimizados.

O setor da saúde contempla processos mais críticos, que vão desde o acolhimento de pacientes e familiares fragilizados até a entrega do paciente curado ou a caminho da cura. Esse percurso envolve o atendimento ambulatorial, a execução dos procedimentos médicos, o fornecimento de medicamentos, o sistema de hotelaria, entre muitos outros e, por essa complexidade, a gestão reveste-se de importância primordial.

A importância da excelência da gestão nos serviços de saúde é ainda mais relevante por refletir na cultura da segurança, a qual pressupõe procedimentos mais precisos e eficientes tanto para os pacientes quanto para os profissionais, bem como no gerenciamento dos riscos assistenciais. Acrescenta-se a isso o fato de que, atualmente, o cliente de saúde é munido de informações por diferentes meios de comunicação e está exigindo cada vez mais a qualidade dos serviços.

Torna-se, assim, imperativo a busca pela Excelência da Gestão, em todo o Sistema Nacional de Saúde, englobando organizações públicas e privadas, por meio de um modelo sistêmico que garanta a profissionalização dos gestores e um melhor uso dos recursos para maximizar o valor gerado para a sociedade.

Por meio da aplicação de conceitos inerentes à Excelência em Gestão, inúmeras organizações de diferentes segmentos têm obtido excelentes resultados. Para o complexo sistema de saúde, é necessária a adoção de um modelo que permita uma visão holística da gestão organizacional, a eficiência do uso dos recursos, o compromisso com a segurança e a qualidade do cuidado, além da garantia de um ambiente seguro aos pacientes e profissionais. Por fim, um modelo de gestão eficiente é capaz de gerar essa ação transformadora para garantir uma melhor condição de vida a toda a população brasileira.

 

Jairo Martins é presidente executivo da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ).

Este artigo expressa a opinião dos Autores e não de suas organizações.

Siga-nos nas Redes Sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

    Posts Relacionados